Novo livro “Percepção Criadora”

percepcriadAfinal, por que estais aqui? Alguns, por certo, aqui estão por mera curiosidade; desses não nos ocuparemos. Outros, porém, devem estar seriamente interessados; e se estais interessados, qual a intenção que vos sustenta o interesse? É a intenção de compreender o que estou dizendo e, em caso de incompreensão, pedir a outro que explique o que eu disse, fazendo assim com que surja o “processo” da exploração? Ou estais a escutar-me com o fim de descobrir se o que digo é verdadeiro em si, e não porque eu o digo ou porque outro vo-lo explica? Positivamente, os problemas de que tratamos aqui são problemas vossos, e se puderdes vê-los e compreendê-los diretamente, por vós mesmos, eles serão resolvidos.
Ao examinardes o que digo, estais exercendo a razão, não é verdade? A razão, entretanto, nos conduz apenas até um certo ponto, e não mais além. Devemos obviamente exercer a razão, a capacidade de pensar nas coisas do princípio ao fim, sem pararmos no meio do caminho. Mas, quando a razão alcançou os seus limites e não pode ir mais longe, então a mente já não é o instrumento da razão, da astúcia, do cálculo, do ataque e da defesa, desde que o próprio centro de onde procedem todos os nossos pensamentos e todos os nossos conflitos deixou de existir
O autoconhecimento, portanto, não é um processo que se aprende em leituras, ou a respeito do qual se pode especular: ele tem de ser descoberto por cada um de nós, momento a momento, o que faz com que a mente se torne altamente vigilante.
Sem autoconhecimento não pode existir o eterno. Quando não conhecemos a nós mesmos, o eterno se transforma em simples palavra, um símbolo, uma especulação, um dogma, uma crença, uma ilusão em que a mente pode refugiar-se.

Pedidos aqui

Novo livro “Abandonando a escuridão”

abandonandoEstas palestras não são meras preleções para vós escutardes e eu desenvolver; devem, antes, representar uma viagem que empreendemos juntos, com o fim de descobrir aquilo que não é criado pela mente. Não estais procurando compreender a mim ou a maneira como eu considero a vida. Estais procurando compreender a vós mesmos, e estes são os problemas que vos concernem e que tendes de enfrentar; estudando-os juntos, como estamos fazendo, nestas palestras, talvez possamos nos ajudar mutuamente a vê-los com mais clareza, mais distintamente. Mas não basta ver com clareza só no nível verbal.
Nessas condições, julgo importante que averigueis isso por vós mesmo; e para o averiguardes, deveis escutar, investigar. Falando-vos, estou-vos ajudando a investigar, não vos estou impingindo algo. Também eu estou investigando. Tal é a finalidade destas palestras.
Compreendendo-se isso, como se pode operar uma mudança interior profunda? Para uma pessoa que sinta verdadeiro interesse, e não para os indivíduos superficiais que andam em busca de alguma ilusão confortante, em busca de gurus, mentores, e os demais contra-sensos, este é o problema, não concordais?
A tranquilidade não vos dará nenhuma riqueza neste mundo — não a traduzais tão depressa em dólares. Se vos chegais a ela com uma vasilha de esmolar na mão, ela nada vos oferecerá.

Pedidos aqui

Centro de Estudos de Tiradentes – MG

O Centro de Estudos de Tiradentes – MG, organiza periodicamente encontros para diálogos e vivências para pessoas ou grupos interessados em aprofundar os temas abordados por Jiddu Krishnamurti. O Centro, que conta com acomodações e serviços de estadia, além de um bom acervo de livros, fitas e DVDs, desenvolve também trabalhos na área social-pedagógica.

Detalhes do local e maiores informações sobre os próximos encontros podem ser feitas diretamente com a responsável pelo projeto, Prof. Rachel Fernandes, através da homepage do Centro – www.centrokrishnamurti.com.

Além disso, o Centro de Estudos está aceitando propostas de parcerias para desenvolver estas atividades de convivência como também outros projetos afins. O encaminhamento de proposições pode ser feito também através do site ou diretamente com a responsável.

Comentários Sobre o Viver (Vol. 3)

comentviver3Acaba de ser publicado pela Nova Era o livro “Comentários sobre o Viver – Volume 3”, que, juntamente com os volumes anteriormente publicados, fecha a trilogia “Breves Textos”. O livro traz uma coletânea de registros de conversas que Krishnamurti manteve com diversas pessoas que foram até ele em busca de orientação e aconselhamento.

Pedidos aqui

Novos DVDs – Série Ojai 1984

Acabamos de lançar mais uma série de DVDs legendados em português. Trata-se da Série Ojai 1984, composta de 4 palestras e 2 reuniões de perguntas e respostas, totalizando 6 DVDs. Para mais detalhes e pedidos, acessem o nosso catálogo, por favor.

Site JKO (repositório oficial dos ensinamentos) agora em português

O site internacional das Fundações Krishnamurti, J. Krishnamurti Online, repositório oficial dos ensinamentos, está agora também em português. O trabalho de tradução , realizado por uma equipe de colaboradores da ICK, é um projeto em andamento, pois o material do site é muito extenso e há muito ainda por fazer. Os seus desenvolvedores pretendem que todo o trabalho publicado de Krishnamurti, em livro, vídeo ou áudio, seja disponibilizado gratuitamente para visualização online ou download. Trata-se sem dúvida de um importantíssimo passo em direção à maior divulgação dos ensinamentos de Krishnamurti para a vasta comunidade lusófona internacional.

A Bondade só Floresce na Liberdade – Novos DVDs

bondadeDiálogos com Eugene Schallert da Ordem dos Jesuítas (2 volumes).

Nesses dois diálogos, Eugene Schallert, um padre jesuíta, e Krishnamurti discutem bondade, liberdade e a relação entre viver e morrer. A liberdade, eles dizem, é a negação do condicionamento de quaisquer divisões culturais, religiosas e políticas. O conteúdo condicionado da consciência deve ser esvaziado num único golpe, no próprio ato da percepção desse condicionamento.

Na discussão sobre o viver, eles veem que para viver você deve morrer todo dia para tudo que você juntou, de modo que a mente esteja nova. Devemos primeiro entender o que significa viver, não o que significa morrer. Morte é ordem perfeita porque é o fim da desordem que vem através da consciência, sem escolha, do que é a desordem.